Blog do Thor_brsp

junho 19, 2006

Minha primeira vez em uma casa de SWING


Antes de começar mais um relato, é necessário que se permita visualizar os ambientes e personagens que farão parte da história que vou contar

Para dar mais luz e vida ao relato da minha primeira aventura em uma casa de SWING em São Paulo, que ocorreu a cerca de 02 anos, vou transacrever partes de uma reportagem publicada na revista Marie Clair, de Novembro de 2005.

Esta reportagem mostra e ilustra momentos que acontecem em uma casa para casais, que estão se tornando comuns em São Paulo. Mostra os ambientes, dá uma idéias dos frequentadores e os estilos de cada casa.

"As preliminares

A arquitetura das casas de swing é semelhante. Logo depois do balcão de recepção, o espaço se abre para uma área social como a de uma boate convencional: mesas para quatro e duas pessoas, bar com balcão, pista de dança, telão de vídeo e palco para shows —nesse caso, só eróticos. A decoração varia. A Nefertitti optou por uma ambientação mais clean, com poltronas brancas e móveis de granito. Já a Enigma e a Image Night, também em Moema, apostaram no clima de inferninho — poltronas de cores fortes e ambientes escuros."

"Entre um drinque e outro, os shows de striptease masculino e feminino fazem parte do aquecimento. “Adoro quando os rapazes me chamam no palco para dançar. Meu marido já sabe, é o meu momento de exibição”, conta a empresária Eliane, de 42 anos. Com sete anos de experiência, Evandro de Castro —ou Titanic, como é conhecido pelo porte de 1,90 m e 98 quilos distribuídos em músculos— já aprendeu todas as artimanhas para atiçar os mais retraídos. Ele cumprimenta gentilmente vários casais e elege uma mulher da platéia para dançar. Nessa noite, chama uma mulata de uns 30 anos. Ela aceita. Titanic a envolve em movimentos sensuais, mexendo os quadris, abraçando a parceira no embalo da música.

Enquanto isso, ela ajuda o moço a tirar a roupa: a camisa branca, o paletó e, por fim, a calça, tudo lentamente. Titanic fica só de sunga, remexendo o corpo dele e o dela. Num dado momento, ele tira a blusa da mulata que, cheia de prazer, se coloca de quatro. Com os seios à mostra, permite que o dançarino levante sua minissaia e brinque com sua calcinha. No meio desse balé erótico, a mulata procura o olhar do marido, que devolve a cumplicidade com um sorriso aprovador e de satisfação. Stripper e sua parceira ficam ali brincando. Para encerrar a participação da convidada, Titanic dá uns tapinhas na bunda da moça, que veste a sua blusa e volta para o lado do marido. Tudo muito à vontade. Em seguida, o dançarino tira a sua última peça de roupa, a sunga, causando delírio da platéia. Num gesto rápido, ele não se exibe em nu frontal. Tampa o pênis com as mãos e sai de costas sob uma chuva de aplausos."


"Nao se vê gays, mas muitas mulheres que gostam de transar com outras Mulheres" "
Janela indiscreta

Do aquecimento à prática sexual, a clientela escolhe em qual canto quer ficar. As cabines, projetadas para exibicionistas e voyeurs, são salas de tamanho médio ocupadas por gente que não se importa em transar sob o olhar alheio. Algumas são envidraçadas, parecendo um aquário enorme. Outras têm janelas com cortinas —o interessado em exibir o que acontece lá dentro pode abri-las. “Eu me senti o máximo.

Estava com três meninas ao mesmo tempo e o pessoal fez fila do lado de fora para ver o que estava rolando entre nós. Lá ninguém quer se conhecer, as garotas não querem ficar dando beijinho. Elas puxam, passam a mão na gente, sentam no colo e te arrastam para uma bagunça dessas”, conta Léo, de 23 anos, comerciante que freqüenta o meio há dois anos.

O swing mesmo acontece nas cabines interligadas, semelhantes a quartos conjugados de hotel —ambientes separados por portas internas. Tem ainda as chamadas cabines do toque, cheias de buracos na parede —aí vai da imaginação de cada um. Para os conservadores, há a opção das cabines privês (as mais sem graça), com sofá para até quatro pessoas. Mas tem gosto para tudo: “Procuro as salas reservadas. Não gosto de dividir o que é meu nem pegar o que é dos outros”, afirma Caio, bancário de 25 anos. Para manter a algazarra em tom de brincadeira, existem os chamados espaços lúdicos.

O labirinto escuro é um deles. Divisórias de madeira preta forçam um caminho entrecortado que dá em cantos separados por cortinas também pretas, onde as pessoas param para transar. Tem também o confessionário. Trata- se de uma pequena cabine de madeira com um único orifício na altura da cintura, versão contemporânea de um passatempo erótico inventado nos bacanais do passado. É para lá que vão os homens interessados em alguém que lhes faça sexo oral num encontro totalmente às escuras.

Mais adiante há a sala coletiva para sexo grupal, onde o troca-troca acontece de tudo quanto é jeito, menos homem com homem. Mobiliada com sofás, almofadas, camas redondas, a sala tem luz baixa e demora um tempo para ver o que está acontecendo. As pessoas estão peladas e só se escuta os sussurros e gemidos. Não há música ambiente. Tem bastante gente, apesar de a sala não estar lotada. Todo mundo garante que ninguém transa sem camisinha, mas, na prática, fica impossível fazer a prova dos nove."

8 Comments:

At 3/02/2008 06:25:00 PM, Anonymous Anônimo said...

no dia 29 de fev de 2008, apareceuno inner uma mulata, linda, 1, 70 alt 50 kg , fez um boquete maravilhoso, nota 1000 e fez mais de 20 homens gozarem como loucos na sua boca,
arrasou com as mulhres tambem, chupou mais de 15 mulheres, todas gozaram, um cara foi feliz e conseguiu comer ela. fantastica
esta mulata noa 10 é linda

 
At 4/13/2009 08:55:00 PM, Anonymous Portal do Swing e Menage ! said...

Para aqueles que gostaram desta matéria, assim como nós... Saibam mais sobre o excitante "Estilo de Vida dos Casais Liberais", no site Portal Balada Liberal.
Temos perfil e fotos nele: http://www.portalbl.com/luaesol
*CASAL LUA E SOL*

 
At 4/20/2009 12:19:00 AM, Anonymous Casal Liberal de São Paulo said...

Adoramos Clubes de Swing !
Atualmente só vamos ao Inner, pois lá a coisa rola de de verdade.

 
At 5/08/2009 12:01:00 AM, Anonymous Maridão Liberal said...

Nossa fantasia sexual, que tanto nos deu excitação em nossa cama, passou do imaginário ao real, de forma tão excitante, que nós não paramos mais de fazer Menage a Trois.
Hoje a gente vive muito mais feliz e somos mais amigos/amantes que antes.
Recomendo o Menage a Trois para casais que tenham seus relacionamentos bem estáveis.

 
At 8/17/2009 05:48:00 PM, Blogger Roby said...

Meu maior sonho é ver minha esposa com outro, ela tbm tem essa fantasia, porem falta coragem, eu 40 ela 33, ajudenos a tomar coragem.
ro_rob21@hotmail.com
Gostariamos de ver um casal transando na cam, ir nos adaptando...

 
At 2/24/2011 04:02:00 PM, Anonymous Anônimo said...

Eu e minha noiva temos curiosidade de visitar uma casa de swing porém temos receio de como si comportar como agir por não conhecer por favor nos mande dicas de como agir?

 
At 1/09/2012 01:39:00 AM, Anonymous Anônimo said...

Fui a primeira vez num swing neste final de semana, no casablanca, adorei é muito bom, muito excitante, a galera que frequenta é super gente boa, o pessoal que trabalha na casa tbm. Uma coisa interessante, pelo menos para mim, é que não há homem com homem, mas muita mulher com mulher, eu transei com quatro mulheres, dava para ter pegado mais, vou voltar com certeza.

 
At 2/05/2012 01:16:00 PM, Anonymous Anônimo said...

no swing e interessante quando vc vai no dark roon o que rola ali. coisa fora de serie algumas pessoas entenderon sou homen gosto de mulher uma vez fomos estava nesta sala escura de tanto a minha esposa falar que gosta de uma rola grossa fiquei interessado usamos codigo nao posso falar ela gosta de mulher foi bom. mais cade o pau?

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home